Nesse post falamos um pouco sobre a composição dos óleos vegetais e como essa composição influência nas qualidades do sabonete. Conhecendo os óleos vegetais, você ganha autonomia para substituir os óleos nas receita ou criar suas próprias com as características que te agradam.

Todos os óleos e manteigas quando saponificam com a soda são transformados em ácidos graxos, que correspondem a um “Perfil de Ácido Graxo” específico do óleo.

Os principais ácidos graxos encontrados nos óleos para saboaria são os ácidos graxos saturados e os insaturados:

ÁCIDOS GRAXOS SATURADOS
ÁCIDOS GRAXOS SATURADOS

Ácido láurico: um ácido graxo saturado. Contribui com dureza, limpeza e espuma macia ao sabonete.
Sua faixa de uso costuma variar entre 7 e 20%.
Os óleos ricos desse ácido são Coco, Palmiste, Babaçu.
O excesso desse ácido pode ressecar a pele.

Ácido mirístico: Ácido graxo saturado. Contribui com dureza, limpeza e espuma macia. Sua faixa de uso costuma variar entre 4 e 7%.
Óleos ricos em ácido mirístico: Monoi e Manteiga de Muru-muru. (Coco, Babaçu e Palmiste também)

Ácido palmítico: É um ácido graxo saturado que contribui para a dureza e a espuma cremosa estável. Sua faixa de uso costuma variar entre 8-20%. O Óleo de Palma é o mais rico em ácido palmítico, os sabonete compostos por esse ácido são ricos em dureza e assim, mais resistentes ao contato com a água. A Manteiga de Cacau seria uma possível alternativa para o Óleo de Palma, porém você precisará ajustar a receita na calculadora.
* Lembre-se ao optar por usar óleo de palma, busque por marcar que tenham uma extração sustentável com certificado RSPO.
** Óleo de Palma branco é o mesmo que azeite de dendê porém passa por um refino mecânico. Ou seja, o dendê é o óleo de palma prensado a frio (extra-virgem) e tem suas propriedades mais conservadas, porém deixa um aroma forte e um cor laranja no sabonete.

Ácido esteárico: Ácido graxo saturado. Contribui para dureza e espuma estável na fabricação de sabão. Sua faixa de uso costuma variar entre 3-16%. A maioria das manteigas são ricas nesse ácido, como por exemplo Manteiga de Manga, Manteiga de Karitê e Manteiga de Cacau.
* O ácido esteárico pode compensar o baixo uso de ácido palmítico.

ÁCIDOS GRAXOS INSATURADOS
ÁCIDOS GRAXOS INSATURADOS

Ácido oleico: é um ácido graxo insaturado que contribui para as propriedades condicionantes / hidratação de um sabão. É o ácido com a faixa de uso mais elevada 30 – 41%. Contribui, também, um pouco com a dureza depois de um longo tempo de cura.
Um exemplo: O sabonete 100% oliva é bem mole na hora de desenformar mas depois de (no mínimo) 3 meses de cura você já consegue perceber como ficará firme. Além do óleo (mesma coisa que azeite) de oliva, os Óleos de Amêndoa doce, Óleo de Girassol*, Óleo de Cártamo e até mesmo o Óleo de Canola* têm alta concentração desse ácido.

Ácido linoleico: Ácido graxo insaturado. Contribui para os níveis de condicionamento / hidratação, bem como a maciez da espuma. A faixa de uso varia entre 7 – 14%, não sendo recomendado taxas maiores que 15% desse ácido pois pode facilitar a oxidação e o aparecimento de pontinhos laranjas. Os óleos de semente de uva, semente de algodão, girassol e cártamo são alguns exemplos.

Ácido ricinoleico: Ácido graxo insaturado que contribui para os níveis de condicionamento / hidratação e para uma espuma deliciosa. Sua faixa de uso normalmente varia entre 3 – 10%.
* Algumas pessoas apresentam sensibilidade ao óleo de rícino (rico em ácido ricinoleico).

Ácido linolênico: Ácido graxo insaturado que contribui para os níveis de condicionamento / hidratação e normalmente está presente em quantidades muito baixas nas fórmulas de sabão. Sua faixa de uso é bem pequena de 0,2 – 1%. Geralmente, é encontrado em óleos mais exóticos como Óleo de Romã, Óleo de Canhamo e Óleo de Linhaça.

(Os ácidos cáprico, caprílico e palmitoléico geralmente são usados em quantidades tão baixas que não contribuem para as qualidades de sabão de maneira perceptível. No entanto, esses ácidos graxos são semelhantes aos láuricos e palmíticos, mas com mais potencial condicionante.)

Óleos que vendem em mercado

São ultra refinados, e por isso rançam mais rápido. A saponificação vai acontecer normalmente, mas a qualidade do sabonete será inferior.  Recomendo sempre a compra dos óleos prensado a frio ou refinado específico para cosmética.

No site da Destilaria Bauru você consegue ter acesso ao perfil de vários ácidos, seja na descrição do óleo ou no laudo técnico. Se você procurar o perfil de algum óleo e não achar, pode mandar e-mail pedindo que eles te mandam.

Alguns exemplos do perfil de ácidos graxos oferecidos pela Destilaria:

Óleo de Babaçu
Óleo de Girassol

Você também pode estudar os ácidos da sua receita na calculadora de sabão:

CALCULADORA MENDRULÂNDIA
CALCULADORA MENDRULÂNDIA
CALCULADORA MENDRULÂNDIA
CALCULADORA MENDRULÂNDIA

Segue o vídeo com esse conteúdo:

Um forte abraço

Por Marcella Lemos e Ana Velho

Publicado por:Espiral de Ervas

feito por Marcella Lemos e Ana Velho

13 comentários sobre “Conhecendo os Óleos Vegetais

  1. A matéria ta incrível, muito obrigada por compartilhar essas informações! Uma dúvida: sabem se a destilaria bauru tem o certificado RSPO?

  2. Que maravilha esse site!!!! Estava meio perdida nessa alquimia, mas aqui tem informações que clareiam nosso caminho….
    Estava procurando na internet uma lista de óleos base duros e moles de forma simples sem entrar muito na química…aqui pude ver alguns ….na minha cidade não tow conseguindo esses óleos mais difíceis, tow trabalhando na hipótese do Dendê, azeite de oliva, óleo de côco, manteiga da terra, sem muita opção :/…
    Em fim…muita luz pra vcs…e obrigada.

Deixe uma resposta