Olá, hoje teremos um bate papo direto e reto, para que a gente possa te contar um pouco da nossa experiência, e enumerar 5 coisas que aprendemos em 5 anos de Saboaria.

1. Estude  bastante antes de começar a fazer sabonete!

Isso vai te poupar muita frustração, além de evitar que você desperdice ingredientes (e dinheiro).

É fundamental que você entenda como e porque a saponificação acontece e, saiba a importância de cada ingrediente dentro da formulação.

Quando compartilhamos esse roteiro com nossa amiga Thais do @focanosabão, ela pontuou algo muito relevante. Antes de decidir colocar um ativo no sabonete, pesquise se aquilo, de fato, vai fazer sentido dentro do sabonete. Não devemos nos esquecer que sabonetes são itens de higiene pessoal, são produtos enxague rápido e que não ficam muito tempo em contato com a nossa pele. Além disso, quanto mais coisas vivas você adicionar no seu sabonete, mais vulnerável ele ficará para estragar. O cérebro de um bom formulador de cosméticos tem que pensar em todas as variáveis do produto.

2. Compre as matérias primas aos poucos

Não saia comprando todos os Óleos Vegetais e Essenciais que ver pela frente! A gente sabe que dá vontade, mas segura ela!! Comece com receitas mais simples e com óleos vegetais baratos. Lembra que quanto mais ativos você adicionar, mais complexo vai ficando.

Depois, quando você estiver se sentindo mais segura (o) na manipulação, e já tiver decidido os sabonetes que deseja produzir em maior escala, invista em matérias primas mais diferenciadas.

Esse é o kit básico que recomendamos:

Preparação de Soda Cáustica
Preparação de Soda Cáustica
Uso correto de EPI's
Uso correto de EPI’s

3. Cura do Sabonete

Nós sabemos que às vezes é difícil esperar para usar o sabonete depois que ele está cortado, mas é preciso! A cura do sabonete é muito mais importante do que você imagina. Esperar a água evaporar da barra é essencial para aumentar a sua durabilidade! Sabonetes naturais têm a tendência a serem mais sensíveis à água por não possuírem aglutinantes em suas fórmulas. E um sabonete mal curado pode resultar em um cosmético que amolece muito rápido e que não dura no banho, derrete fácil demais.

Por mais que exista uma convenção de esperar de 4 a 6 semanas para Cold, esse tempo pode variar muito de acordo com o padrão da receita Uma fórmula que leva menos líquidos, tende a curar mais rápido do que uma fórmula com mais água. Assim como uma fórmula mais rica em óleos insaturados também precisará de mais tempo. 

E por mais que o sabão feito por Hot esteja saponificado e seguro para uso assim que foi feito, uma cura para que ele fique seco faz toda diferença na durabilidade da barra! Principalmente se você fizer uma fórmula de Hot Fluido, ou seja, com mais líquidos para dar fluidez na massa.

Portanto, PACIÊNCIA minha gente! Sabe o que a gente faz pra esperar a cura de uma barra? Fazemos outras! Assim vamos ocupando nosso tempo e, ao final, teremos barras infinitas para tomar muitos banhos deliciosos kkkkkkkk.

Sabonetes Naturais durante o período de Cura
Sabonetes Naturais durante o período de Cura

4. Esteja sempre atenta (o) às demandas.

Sempre converse com o seu público na hora de elaborar novos produtos. Às vezes a gente acha um sabonete muito interessante e reproduz em grandes quantidades sem ter certeza de que é aquilo que o consumidor deseja. Pesquisas de mercado ajudam a evitar esses tipos de erros. Não tenha medo de perguntar, as pessoas gostam de sentir que são ouvidas, ainda mais para terem suas necessidades atendidas. 

5. Se permita errar!

Errar faz parte e sem os erros a gente não aprende nada. Portanto, quando for testar algo e não estiver 100% seguro, faça em pequenas quantidades, assim seus os seus erros não gerarão grandes prejuízos. 

Estes foram cozidos demais
Estes ficaram cozidos demais
A linha destes ficou grossa
A linha destes ficou muito grossa

Seja gentil consigo mesma em seu processo, existem muitos erros por trás de qualquer sucesso. Cada um tem seu tempo de aprendizado, respeite o seu! Vocês acham mesmo que todos os cosméticos que a gente fez deram certo de primeira? kkkk Felizmente a gente já errou muito nessa jornada, e vamos continuar errando para poder trazer conteúdos de qualidade para vocês aqui.

Além disso, para facilitar o aprendizado juntamos tudo que sabemos em dois ebooks: um de COLD PROCESS e um de HOT PROCESS. Sempre que possível, inicie pelo método Cold Process por ser de mais simples execução e depois evolua para o Hot, assim você garante que conhecerá todos os processos e estará FERA na Saboaria.

E então, o que achou do nosso bate papo sobre 5 coisas que aprendemos em 5 anos de Saboaria? Como foi sua experiência? Acha que esquecemos de citar algo? Deixa um comentário pra gente saber o que você acha!

Também fizemos um vídeo sobre essa discussão, você pode assistir aqui:

Por fim, esperamos que você tenha gostado desse texto que fizemos com muito carinho para ajudar na caminhada de vocês.

A gente se vê no próximo post! Até lá.

Por Marcella Lemos e Ana Velho.

Publicado por:Espiral de Ervas

Por Equipe Espiral de Ervas

11 comentários sobre “5 coisas que aprendemos em 5 anos de Saboaria

  1. Bom dia meninas tenho aprendido muito com vcs, estou paixona pelo mundo da saboaria. Fazia sabão com óleo reciclado mais sempre tive a curiosidade de saber com seria fazer sabonete. Mais não queria de base pronta. Aí encontrei vcs, amo muito os seus conteúdos. Então faz fiz uma besteiras aqui, sabonetes muito moles, sabontes com muito corante. Mais estou aprendendo que menos e mais. Gratidão pelo trabalho de vc. Bjs.

  2. Boa tarde, acompanho vocês no YouTube, fico maravilhada… Obrigada em compartilhar conhecimento e experiências tão lindas… Gostaria de saber se é possível imprimir páginas do eBook. Gosto de ler e reler algumas coisas e marcar tudo que mais me interessa, assim memorizo melhor. 😊

  3. Meninas, preciso de um help! Tenho tido muito problema com DOS nos meus sabonetes. Algo que não acontecia antes quando comecei a aprender em 2019. Não uso nenhum óleo vencido, só utilizo fornecedor top (engenharia das essências e destilaria bauru), já cheguei a trocar todas as matérias primas mesmo na validade porque estava na neura de que o problema podia estar ali. Mas, mesmo assim apareceu. O engraçado é que no sabonete que faço com OV de girassol e abacate e não uso ORA, nunca apareceu uma manchinha. Um item que tenho desconfiado é o ORA (utilizo engenharia das essências na validade). Um outro ponto que desconfio é o ateliê, que fica na parte de baixo da casa. O espaço é amplo, foi todo reformado no ano passado, é super super limpo, porém a circulação natural de ar não é muito boa. O ateliê tem uma porta de entrada e saída e dois basculantes em cima da porta, que ficam abertos direto. por ser na parte baixa acaba concentrando o ar mais denso, úmido. mantenho um ventilador ligado e comprei um desumidificador para ajudar. as vezes sinto os sabonetes mais úmidos, mas não chegam a suar de ficar cheios de gotas de água. O estranho que logo alguns dias após irem para prateleira curar já começam a aparecer as manchinhas brancas….sério é de chorar. Será que a umidade é tão alta que causa o aparecimento tão rápido das manchas? Umidade faz aparecer DOS muito rápido, achei que demorasse mais. Será que é o ORA? Uso SP de 5% e indice de iodo das receitas sempre abaixo de 70.

    1. oi Fernanda tudo bem?? Aqui é a Thais da Espiral! Pelo que vc relatou, você não está tendo problema de DOS (que são pontos LARANJA no sabonete, causados pelo ranço). As manchas brancas são chamadas de Stearic Spots, são pontinhos onde há maior presença de ácido esteárico. Pode acontecer em sabonetes que tenham palma, ou manteigas ricas nesse ácido graxo, e ocorrem principalmente no Cold Process, pois esse ácido endurece mais rapidamente nas temperaturas mais baixas usadas no Cold. Não se preocupe, é apenas um efeito estético. Vc pode reduzir aumentando um pouco a temperatura do seu cold, para 45 graus, ou reduzindo o teor de óleo que contenha esse ácido graxo. Quanto ao “suor”, fica de olho que teremos um conteúdo sobre esse tema essa semana! Espero ter te ajudado! Beijos

Deixe uma resposta