Olá, no post de hoje falaremos sobre uma das perguntas que mais recebemos aqui no canal: Afinal, qual é o melhor processo para fazer sabonete por saponificação? Qual é o melhor método: Cold ou Hot?

A primeira coisa que precisamos esclarecer é que não há um método melhor e sim o método mais adequado para o seu objetivo.

Primeiramente, SEMPRE recomendamos que todas as pessoas façam pelo menos um Cold Process na vida antes de partir para o Hot Process. Desse modo, isto permite visualizar melhor todas as etapas do traço (fino, médio ou grosso) e controlar melhor o tempo que seu mixer demora para atingir tais pontos.

Qual é o melhor método: Cold ou Hot?
Qual é o melhor método: Cold ou Hot?

Cold Process

A princípio, sabemos que o Cold é um processo mais simples, mais rápido e que requer menos utensílios. Apesar da rapidez em fazê-lo, ele precisará curar por algumas semanas para secar o excesso de “água” da massa. Esse tempo pode variar completamente de acordo com o perfil de ácidos graxos, quantidade de água/líquidos na receita e o clima da região onde você está. Falamos sobre a importância da cura no post 5 coisas que aprendemos em 5 anos de saboaria.

Se o seu objetivo principal é decorar, obter sabonetes mais padronizados e delicados, então o Cold Process é pra você. Em virtude de a massa ficar com uma textura mais fluída é mais fácil trabalhar designs mais complexos. Aqui tem alguns exemplos de decorações que fizemos via Cold Process: Swirl (redemoinhos), Pencil Line (linhas horizontais), e layered soap (em camadas). Colocamos os termos em inglês caso queiram pesquisar mais referências de imagens no Google.

Textura de Massa de Cold Process
Textura de Massa no Cold Process

Hot Process

Em contrapartida, se o seu principal objetivo e aproveitar o máximo do potencial dos seus ativos como óleos essenciais e extratos, recomendo que você invista no Hot Process. Isso porque você vai colocar esses ativos após o processo de saponificação e assim eles estarão mais conservados, pois não foram expostos ao alto pH da saponificação e as altas temperaturas. Contudo, lembre-se de esperar a massa esfriar até 50ºC para adicionar seus ativos termolábeis (óleos essenciais, óleos vegetais e extratos naturais).

É possível fazer o Hot Process de Baixa Temperatura, onde usamos uma fonte baixa e constante de calor, assim cozinhamos o sabonete lentamente, acompanhando de tempos em tempos os estágios. Sua principal desvantagem é o uso de energia elétrica ou gás por um período que pode variar de 30 a 60 minutos conforme o equipamento utilizado e a quantidade de óleos a ser saponificada. Temos alguns sabonetes que fizemos por esse processo de Hot em Baixa Temperatura: Sabonete Floral, de Cerveja, Café e Cacau, Cítrico com Açafrão, Argila Cinza Herbal e Vinho Tinto.

Textura de Massa pelo Hot de Baixa Temperatura
Textura de Massa pelo Hot de Baixa Temperatura

A outra possibilidade é o Hot Process de Alta Temperatura. Neste caso esquentaremos os óleos até que alcance 105ºC e usaremos a solução de soda bem quente também. Dessa forma, não precisaremos de nenhuma fonte externa de calor. O próprio calor da receita vai assegurar que o processo de saponificação aconteça. Assim, este processo é mais rápido e economiza tempo e energia. Sua principal desvantagem é a necessidade de estar 100% atento ao sabonete durante todo o processo, pois aconteceram algumas expansões de massa (famosos vulcões). Por isso, nada de sair de perto do seu sabão até ele terminar o cozimento completamente. Já executamos esse processo no Sabão 100% Coco, Laranja e Alecrim, Coco e Cacau, Sabonete de Cenoura e com Iogurte Vegano.

Vulcão em expansão em Hot de Alta Temperatura
Vulcão em expansão em Hot de Alta Temperatura

Apenas Hot Process pode ser Fluído?

É possível então, fazer ambos os processos à quente na versão fluída, isso apenas significa adicionar mais líquido ao final do processo. Por natureza o Cold Process já possui a massa bem fluída por isso geralmente usamos o termo Fluído para falar sobre Hot Process. Ao adicionar líquidos no final do cozimento do Hot, a etapa de enformar será facilitada e pode inclusive possibilitar que você faça decorações semelhantes às do Cold Process. Por certo, se você adicionar fluídos à massa, o tempo de cura aumentará proporcionalmente. Enquanto um Hot Process não Fluído costuma curar por 1 semana, o Fluído pode demorar o mesmo período de tempo que um sabonete feito pelo processo à frio.

Adicionando elemento de Fluidez
Adicionando elemento de Fluidez

Confira a tabela que preparamos:

Fluidez da massa AparênciaSuperfatTempo de Cura
Processo à FrioAltaLisa/HomogêneaNão escolheAlto
Processo à Quente Baixa TemperaturaBaixaRústicaEscolheBaixo
Processo à Quente Alta TemperaturaMédiaLevemente rústicaEscolheBaixo
Processo à Quente FluídoAltaQuase lisa ou LisaEscolheAlto

Qual é o melhor método: Cold ou Hot?

Em síntese, o melhor método é o que melhor se adapta ao que você necessita, ao que seu consumidor demanda ou o que sua realidade pode proporcionar. A verdade é que, de fato, Sabão Natural é tudo de bom, seja feito à frio ou à quente.

Por fim, ainda ficou alguma dúvida de Qual é o melhor método: Cold ou Hot? Se desejar conhecer mais profundamente sobre estes processos, conheça nossos ebooks de Cold Process e de Hot Process.

Por fim, gravamos este vídeo com muito carinho para ajudar a complementar as informações:

E então? O que achou do nosso post de Qual é o melhor método: Cold ou Hot? Em conclusão, tentamos fazer um resumão bem elucidativo com os principais métodos de Saboaria Natural. Clareou por aí? Qual você mais gosta de fazer? Nos conte sua experiência!

Em suma, esperamos que você tenha gostado desse post e qualquer dúvida ou sugestão é só deixar um comentário.

Enfim, a gente se vê no próximo post! Até lá. 

Por Marcella Lemos e Ana Velho.

Publicado por:Espiral de Ervas

feito por Marcella Lemos e Ana Velho

Deixe uma resposta